16.6 C
São Caetano do Sul
Maxx Saúde
Gestão Hospitalar

Quais desperdícios podem ser evitados em um hospital?

Nas instituições de saúde a necessidade de realizações de investimentos visando ampliar e melhorar a capacidade de atendimentos é frequente.

Por conta disso é fundamental que a gestão hospitalar procure sempre reduzir custos e seja obstinada no combate a desperdícios.

E, para isso, é importante lembrar-se de alguns fatores que costumam gerar esses desperdícios e que nem sempre receberem a devida atenção.

Evitando o desperdício na gestão hospitalar

1. Capacidade da equipe de gestão

Quem vive o dia a dia de gestor sabe que essa não é uma tarefa fácil. É algo que exige o exercício de diferentes habilidades.

E isso se aplica a todos que ocupam postos de cargos de liderança e tomada de decisão.

E, nos casos aos quais o gestor não for capaz de exercer suas funções e liderar sua equipe da melhor forma, as chances de que suas ações tragam grandes prejuízos à instituição são altas.

Quem quer combater o desperdício em seu hospital ou clínica tem a obrigação de se debruçar sobre aqueles que são sua equipe de gestão.

Caso seja identificada inaptidão para exercer cargos e funções o recomendado é que se faça a troca por um profissional capacitado.

Cercar-se de uma equipe capacitada e que supra as exigências da instituição é o primeiro passo para evitar desperdícios.

2. Gestão dos equipamentos hospitalares

Os hospitais e clínicas são cada vez mais dependentes do uso de equipamentos hospitalares no atendimento a pacientes.

O parque tecnológico, dessa forma, ganha em tamanho e relevância nas instituições, exigindo uma boa gestão de seus recursos.

Caso contrário, aquela que era para ser uma solução acaba se tornando fontes de desperdícios e prejuízos.

Além do controle dos equipamentos a gestão deve se atentar a um cronograma de manutenção preventiva.

Para, assim, diminuírem os riscos de ocorrência de quebras e paradas inesperadas que levem à manutenção corretiva que, além de causarem a parada dos atendimentos, costumam ter um custo elevado às instituições de saúde.

3. Gestão dos contratos

Outro aspecto que merece atenção da gestão hospitalar é quanto à gestão de contratos, que nem sempre é realizada adequadamente.

O estabelecimento de relações de serviços deve sempre ser feito de maneira estratégica e em acordo com os objetivos da instituição.

Um contrato feito sem uma correta análise das necessidades da instituição é fonte quase certa de desperdícios e prejuízos.

Como podemos perceber, quando falamos em desperdício as diferentes faces da gestão hospitalar estão no topo dos fatores.

E não poderia ser diferente! Afinal, é o gestor que irá tomar as decisões e definir o rumo da instituição.

Evitar desperdícios, reduzir custos e alcançar a máxima capacidade de investimento são marcas de uma boa gestão hospitalar.

Gostou deste artigo? Continue acompanhando nosso blog e tenha acesso a mais conteúdos voltados à gestão hospitalar.

Até a próxima!

Fonte: Vestatech Engenharia Clínica | https://vestatech.com.br

Postado por: Maaxx Saúde

Related posts

Medicamentos só poderão ser reajustados em até 4,33% neste ano

maxxsaud_contato

Copa do Mundo Sub-17: Ministério da Saúde fortalece ações para atender emergências durante jogos

maxxsaud_contato

Insulina inalável pode ajudar no tratamento do diabetes

maxxsaud_contato

Deixe um Comentário